}

sexta-feira, 28 de março de 2014

"GUIOZA (LEMBRANÇAS DO BAIRRO DA LIBERDADE)"

                                                                       "GUIOZA"
   




        Gente eu e meu marido sempre gostamos de guioza, mais não com tanta paixão kkkk, mais a última vez que fomos a Liberdade (Bairro Japonês/ em São Paulo) como já postei anteriormente aqui para vocês, experimentamos numa daquelas barraquinhas na feirinha que tem todo domingo por lá, o guioza deles, gente o melhor guioza que já comemos até hoje, é uma deliciaaaa, para terem uma noção tem muita gente e o atendimento é com senha, mais não se assustem apesar de muita gente é super organizado e rápido.
       Depois dessa experiência gastronômica, o meu marido vive me pedindo para tentar fazer em casa o tal guioza, enrolei bastante até o dia que resolvemos encarar kkkkk, ficou bem gostoso deu bastante trabalho ficar abrindo a massa, e está aqui o resultado, mais resolvi comprar um pouco das massinhas prontas por precaução, então acabei usando as duas como vocês podem conferir nas fotos, os redondinhos fiz com a massa que preparei, os tipo pasteizinhos fiz com a massinha pronta.
    Os dois ficaram ótimos, mais acho que vou acabar sempre comprando a massa e fazendo recheio e os molhinhos kkkkk.
   O recheio do guioza pode ser de carne suína, bovina, camarão ou para os vegetarianos o de legumes, todos ficam uma delícia.
   

      Pesquisando um pouquinho sobre o guioza achei esse texto que vou dividir aqui com vocês, achei no site: madeinjapan.uol.com.br  que tem várias curiosidades e receitas legais.
   
      O guioza é uma das entradas mais pedidas nos restaurantes japoneses. No entanto, apesar de já estar enraizado à culinária nipônica, o prato foi inventado na China, onde era servido cozido a vapor. Somente a nobreza tinha o privilégio de saborear essa delícia. Mas, segundo a história, aos soldados eram distribuídos as sobras do guioza, que o comiam já frio.
Foram os próprios chineses que exportaram o petisco ao Japão. Só depois da Segunda Guerra (1939-1945), o pastel chinês, que pode ser recheado com legumes ou carne, começou a se popularizar rapidamente. O sucesso tem se repetido nos restaurantes nipônicos do Brasil. Por aqui, o guioza é um dos petiscos mais consumidos.
Diferente da maioria dos pratos da culinária nipônica, ele não é servido cru, o que contribuiu para que ele caísse mais facilmente no gosto dos não-descendentes. O guioza pode ser preparado no vapor, como no estilo chinês, ou, ainda, ao óleo quente.





     INGREDIENTES
     MASSA: 350grs de farinha de trigo e 150 ml. de água fervendo.
    Num recipiente coloque a farinha e uma colherzinha (chá de sal)  faça um buraco no meio e junte a água fervendo.
    Vá misturando com uma colher para não queimar as mãos, a massa no primeiro momento fica meio esfarelento mesmo, logo após comece a esticar a massa com as mãos e bolear até ficar homogênea.
    Faça um grande rolo com a massa como se fosse um nhoque gigante  e corte de dois em dois dedos, abra uma a uma enfarinhando a bancada de apoio para não grudar e deixe bem fininha, reserve.
    RECHEIO:
    Pode-se fazer com carne bovina, suína, camarão ou com legumes eu misturei um pouco de cada carne  moída, refoguei as duas separadamente deixando bem sequinha, reserve.
    1 maço pequeno de Nirá (cebolinha  japonesa) picada.
    1/4 de repolho ou acelga picado bem fininho.
    100grs. de carne de porco moída
    200 grs. de carne bovina moída
    Sal e pimenta a gosto.

   MODO DE PREPARO RECHEIO


   Num recipiente misture o repolho ou acelga picada e o Nirá (cebolinha japonesa) acrescente o sal , deixe por mais ou menos 15 minutos para desidratar o repolho, escorra toda a água que juntou e misture as carnes, acrescente pimenta do reino se quiser.


   MONTAGEM:


   Abra cada disquinho de massa bem fininho  ou use a massinha já comprada pronta, recheie cada um com essa mistura.

    Para fechar o bolinho, passe um pouco de água nas extremidades.
    O grande eu fechei como uma trouxinha e o menor que foi com a massinha comprada eu fechei como pastelzinho, e fiz um zigue- zag em cima como enfeite, é muito fácil.
    Antes de fritá-los, é recomendável colocar os guiozas no vapor, em banho-maria por cerca de 7 minutos.
   Em seguida, frite-os na wok com um pouquinho de óleo quente até dourar.

   MOLHO PARA ACOMPANHAR


   O guioza tradicionalmente é servido com molho POZU, e para prepará-lo basta misturar 2 colheres de (sopa) de shoyu, a mesma quantidade de suco de limão, 1 colher (sopa) de sake seco,1 colher (chá) de óleo de gergelim, pimenta e alho amassado  a gosto.

  E uma pitada de Aji-No- Moto e Hondashi, misture tudo e finalize com um punhadinho de Nirá (cebolinha japonesa) picadinha.

  OBS: Não coloque o molho por cima do guioza, esse molho deve ser servido separadamente.

           Na Liberdade (bairro Japonês), eles serviam com pepininhos agridoce (Sunomono), vinagrete, esse molho Pozu (shoyu que ensinei) e molho agridoce, tinham todos separados e você coloca na hora o que preferir, eu pessoalmente só deixei de lado os que tinham pimenta, os outros coloquei tudo o que tinha direito kkkkkk.

   Sayonara!!!!


   FONTE: Texto (trecho destacado em  vermelho e partes da receita) tirado do site: http://madeinjapan.uol.com.br/

                 restante do texto Elaine Saraiva.
  FOTOS: Elaine Saraiva